Tecnologia de ponta para gestão de frotas

Maior transparência da sua operação através de plataformas modulares de roteirização, manutenção, monitoramento e abastecimento.


Nossas soluções


Alinhadas com o conceito de Torre de Controle Logístico, fornecemos ferramentas capazes de economizar seu tempo e otimizar sua operação

Roteirizador

Otimize as suas rotas em questão de minutos considerando as condições de cada cliente

Monitoramento

Acompanhe a posição dos seus veículos em tempo real e gere indicadores da sua operação

Manutenção

Receba alertas e controle as ordens de serviço considerando os planos de manutenção de cada veículo

Abastecimento

Reduza os custos com combustível acompanhando a autonomia da sua frota e histórico de abastecimentos

Roteirizador

Perfeito para otimização de processos

Garanta a melhor roteirização para sua operação com as funcionalidades do nosso algoritmo personalizado

  • Previsão de custos de rota
  • Roteiros automatizados
  • Redução de consumo do combustível
  • Redução de custo com manutenção
  • Controle de carga em cada viagem

Monitoramento

Tenha um maior controle da sua operação

Acompanhe a localização da sua frota em tempo real e consulte relatórios de eficiência do seu negócio

  • Limite de velocidade
  • Pontos de parada
  • Horas ligado
    + Horas parado
  • Cercas virtuais
  • Histórico de rotas
  • Acelerações, curvas e frenagens bruscas

Gestão da Manutenção

Maior controle de custos da sua operação logística

Realize o controle das manutenções corretivas e preventivas dos seus veículos e equipamentos para reduzir seus custos

  • Plano de manutenções preventivas
  • Alertas de manutenção
  • Histórico de manutenções
  • Registro de ordem de serviço
  • Controle de custos
  • Indicadores de manutenção

Gestão de Abastecimento

Tenha um maior controle da sua operação

Realize o controle de abastecimentos dos seus veículos e equipamentos para gerir os seus gastos com combustível

  • Lançamento de abastecimentos pelo App
  • Registro de abastecimento
  • Cálculo de autonomia
  • Dashboard interativo
  • Controle de estoque para postos internos

Empresas que confiam


+ 10.000.000

km monitorados

+ 10

prêmios de inovação

100%

território nacional

Quem já falou da gente

Fique por dentro

Como deixar o caminhão mais econômico

Como deixar o caminhão mais econômico

31 de julho de 2020

Como deixar o caminhão mais econômico... esse é o sonho de todo gestor de frotas, não é mesmo? Conseguir melhorar a autonomia do caminhão para assim [reduzir os custos](https://infleet.com.br/blog/5-dicas-para-reduzir-custos-com-a-sua-frota-gestao-transportes) com combustível. Porém, como fazer isso é a grande questão! E a resposta é simples, é possível deixar o caminhão mais econômico utilizando as técnicas de [direção econômica](https://infleet.com.br/blog/o-que-e-conducao-economica-frotas-gestao-motoristas)! E digo mais, não é apenas mais econômico em termos de consumo de combustível mas também em termos de custo com manutenção! Sabemos que os gastos da frota estão diretamente relacionados ao modo de condução dos motoristas. De acordo com a [Petrobras](https://www.br.com.br/wcm/connect/1277595d-ef46-48c7-b67d-b792812abe25/apostila-conducao-economica-2018-final.pdf?MOD=AJPERES&CVID=mgtx1tt&CVID=mgtx1tt&CVID=mgtx1tt&CVID=mgtx1tt), o modo de condução do seu motorista tem impacto direto nos custos com combustível, [manutenção](https://infleet.com.br/blog/como-criar-plano-de-manutencao-ideal-frota-gestao), depreciação, [pneus](https://infleet.com.br/blog/voce-conhece-5-ladroes-km-pneus-manutencao) e na indisponibilidade do veículo. Então, neste artigo vamos explicar como você pode utilizar as técnicas de direção econômica para deixar o seu caminhão mais econômico, reduzindo custos com combustível e manutenção. **O QUE DIREÇÃO ECONÔMICA** De acordo com a [Scania](https://blogwlmscania.itaipumg.com.br/direcao-economica-14-passos-para-caminhoneiros/) a condução econômica “é o ato de conduzir o veículo da maneira mais eficiente de acordo com o trajeto a ser executado”. Em termos mais práticos, a com a direção econômica o motorista irá operar o veículo, acionando os mecanismos de controle (acelerador, freio, direção, marcha) em sintonia com as situações que ocorrem ao longo da viagem (subidas, descidas, retas e curvas), otimizando a eficiência veicular. Assim, a condução econômica é o conjunto de práticas de condução do veículo, leve ou pesado, que permite utilizar a menor quantidade possível de energia, produzindo assim o menor desgaste mecânico e impacto ambiental. Em outras palavras, é a forma de conduzir o veículo que tem como objetivo a redução do consumo de combustível pelo melhor uso dos recursos veiculares. **COMO SE DEVE DIRIGIR PARA ECONOMIZAR** O ponto central para que se possa dirigir de maneira econômica é observar o RPM indicado no conta-giro. Para todo veículo existe uma faixa ideal de rotação do motor, na qual o veículo irá consumir menos. Todos os motoristas devem trabalhar focados em manter o veículo o maior período possível dentro dessa faixa. Aqui nos separamos 5 dicas do que deve ser feito para que o motorista possa colocar em prática a direção econômica: **1. Evite acelerar e frear suavemente** O motorista deve evitar acelerações bruscas do veículo, além de ser algo bastante perigoso, podendo provocar acidentes e danos a carga que está sendo transportada, uma aceleração muito brusca eleva excessivamente o RPM do veículo, o motor passa a injetar mais combustível para a queima aumentando o consumo. A mesma lógica utilizada para acelerações também deve ser aplicada a frenagens. O motorista deve evitar frenagens bruscas. Frear bruscamente é uma grande causa de acidentes de trânsito, pois muitas vezes o motorista atrás do seu veículo não consegue reagir para frear em tempo hábil. Além disso, pode provocar o tombamento de carga. Além da segurança, frear de maneira suave reduz a pressão sobre o sistema de freios, reduzindo o seu desgaste e ampliando a sua vida útil! **2. Evite altas velocidades** Altas velocidades também fazem com que o o motor aumente a sua rotação, aumentando o seu consumo. Além disso, em altas velocidades a força de resistência do ar é maior, exigindo maior potência para o veículo manter a sua velocidade constante. [Sistemas de rastreamento veicular](https://infleet.com.br/blog/rastreador-veicular-gestao-frotas-gps) ou [monitoramento de frotas](https://infleet.com.br/blog/o-que-e-monitoramento-de-frotas-rastreamento-gestao) permitem com que você faça o acompanhamento em tempo real dos seus veículos e da velocidade. Além disso, esses sistemas permitem com que você receba alertas de excesso de velocidade caso o motorista ultrapasse o limite definido pela empresa. **3. Evite dirigir na banguela** Esse é um mito muito comum entre motoristas, sejam motoristas profissionais ou motoristas comuns, muitas pessoas acreditam que dirigir na banguela é uma forma de reduzir o consumo de combustível. Há o mito de que se o carro não estiver engrenado então ele não está consumindo combustível. Lei do engano Na realidade, um veículo que roda desengrenado, na banguela, consome mais combustível do que um veículo engrenado. Isso por que o motor precisa injetar mais combustível para manter a sua rotação em marcha lenta. Outro ponto importante a se observar, além do consumo de combustível é que, como a lubrificação do motor é interrompida quando ele está desengrenado, então as peças irão apresentar um atrito e desgaste maior, reduzindo a sua vida útil. **** **4. Mantenha seus pneus calibrado e balanceados** Garanta que os seus veículos estão sempre rodando com a pressão ideal indicada pelo fabricante. Isso é essencial para uma boa performance veicular. Uma boa forma de garantir isso é realizando [checklists de saída do veículo](https://infleet.com.br/blog/o-uso-de-checklist-em-uma-gestao-de-frotas-eficiente) e colocando a pressão dos pneus como um item a ser checado. Acredite, isso vai reduzir muito o seu consumo e aumentar a sua segurança. **5. Mantenha o veículo em marchas mais altas** Em marchas mais altas o veículo tem uma rotação menor para o motor, assim o consumo de combustível será também reduzido. Sempre que possível, busque dirigir nas marchas mais elevadas. **Outras dicas:** Algumas outras práticas também são importantes para que você possa reduzir o consumo de combustível do seu veículo. Evitar rodar com o ar condicionado ligado, parar o veículo com o motor ligado, evitar os horários de maior trânsito e evitar rodar com cargas muito elevadas, são pequenas coisas que ao serem combinadas irão ajudar você a reduzir um valor significativo em combustível ao final do ano. Seguindo essas dicas com certeza você irá deixar o seu caminhão mais econômico! ![combustivel-abastecimento-gestao-frotas](/img/gestao-economica-caminhao-custos.webp) Fonte: [Educartrans](http://educartrans.com.br/servicos/direcao-economica/). **QUAL A MELHOR FORMA DE ECONOMIZAR COMBUSTÍVEL** Existem diversas [formas de reduzir combustível](https://infleet.com.br/blog/dicas-reducao-do-consumo-de-combustivel-abastecimento-frotas) e economizar na sua empresa. A primeira, e provavelmente a mais eficiente, forma de economizar combustível é aplicando as técnicas de direção econômica, criando essa cultura com os motoristas da sua empresa e fazendo com que eles adotem as melhores práticas de direção. Isso fará com que você economize não só combustível como também em manutenção, além de aumentar a segurança da sua operação. Porém, existem outras coisas que também podem ser feitas por você para ajudar a economizar combustível. Neste tópico iremos apresentar mais algumas delas. **1. Escolha postos de combustível de confiança** A qualidade do combustível tem grande impacto tanto na manutenção quanto no consumo do veículo, por isso é essencial abastecer em postos de confiança onde o combustível não é adulterado. **** **2. Fique atento ao tipo de combustível escolhido** Se você tem veículos leves muita vezes se depara com a dúvida: álcool ou gasolina? Geralmente, adota-se a proporção 80/20 entre álcool e gasolina para definir qual dos dois combustíveis é o mais adequado. Ou seja, só é mais vantajoso abastecer com etanol até o momento em que o seu preço for 80% do preço da gasolina, acima disso o melhor é abastecer com a gasolina. Claro que isso não é uma regra de ouro. É importante você entender como o seu veículo se comporta com os dois tipos de combustível, qual a autonomia média dele, e assim conseguir tomar uma decisão realmente baseada em dados. **** **3. Negocie com postos parceiros** Ao estabelecer uma rede de parcerias com postos de combustível nos trajetos comumente realizados pela sua frota você poderá negociar melhores condições de pagamento e melhores preços, reduzindo assim os seus gastos com combustível. **** **CURIOSIDADE: QUAL MARCHA ECONOMIZA MAIS GASOLINA** Não existe uma resposta certa para essa questão, pois não existe um única marcha que economiza mais. A marcha a ser escolhida pelo motorista irá depender da situação em que ele se encontra no momento. Qual a sua velocidade? Está em uma subida? Está em uma descida? Antes de sair por ai falando que a melhor marcha para dirigir é a 3ª, 4ª ou 5ª, entenda a situação da estrada. O mais importante para que você consiga deixar seu caminhão mais econômica, economizar combustível, é respeitar a troca de marchas e buscar manter a marcha mais elevada possível. Isso por que, em marchas menores a rotação do motor tende a ser maior, o que irá aumentar o consumo de combustível. **USE A TECNOLOGIA AO SEU FAVOR** A tecnologia é a grande aliada do gestor de frotas para analisar esse tipo de situação. Como saber de fato se o seu caminhão está mais econômico se você não faz um controle dos custos de combustível e autonomia dos veículos? **Assim, o primeiro passo a ser dado é:** controle os custos de combustível da sua frota. Saiba quanto você gasta por mês com cada veículo e qual a sua autonomia média. A partir disso, você terá um parâmetro de referência para saber se as ações que você tomou estão de fato deixando os seus caminhões mais econômicos e se você está economizando combustível. Não importa se você fará o controle utilizando uma [planilha do excel](https://infleet.com.br/blog/como-criar-uma-planilha-de-gestao-de-frotas), cartão de abastecimento, um sistema de controle de custos de combustível ou de gestão de frotas. O importante é que você faça esse controle e tenha esses [indicadores](https://infleet.com.br/blog/principais-indicadores-gestao-frotas-transporte) em mãos para avaliação! **O segundo passo é:** controle o modo de condução do seu motorista. Depois de treinar a sua equipe, passar para ela as técnicas de direção econômica, melhores práticas e dicas, é preciso que você assegure que tudo está sendo devidamente aplicado. Caso contrário, você irá ensinar os seus motoristas a dirigir para economizar combustível, a deixar o caminhão mais econômico e algumas semanas depois eles terão retornado a todos os hábitos e vícios antigos. Para esse segundo passo o importante é você utilizar um sistema de [telemetria veicular](https://infleet.com.br/blog/como-telemetria-pode-ajudar-reduzir-custos-rastreamento-monitoramento) e que, idealmente, esteja associado a um [ranking dos motoristas](https://infleet.com.br/blog/como-construir-um-ranking-de-motoristas). O sistema de telemetria veicular irá captar dados de RPM, velocidade, aceleração, frenagem, curva, paradas com motor ligado e muitos outros dados e a partir disso elaborar relatórios de modo de condução do motorista, apontando as infrações cometidas e ranqueando os melhores motoristas para que você possa premiá-los e treinar novamente aqueles que apresentarem necessidade. Essa é uma excelente forma de colocar em prática a cultura da direção econômica na empresa, os dados da telemetria veicular estão te oferecer transparência e permitir uma avaliação do modo de condução do motorista baseada em fatos e dados. Assim, a sua avaliação de desempenho será justa, precisa e efetiva. Caso tenha interesse em reduzir custos e utilizar a tecnologia a seu favor, garanta o teste grátis no Infleet [aqui!](https://infleet.com.br/trial)

Para que serve a telemetria

Para que serve a telemetria

29 de julho de 2020

Depois que as tecnologias de [rastreamento veicular](https://infleet.com.br/blog/rastreador-veicular-gestao-frotas-gps) e [monitoramento de frotas](https://infleet.com.br/blog/o-que-e-monitoramento-de-frotas-rastreamento-gestao) se tornaram mais comuns nos últimos anos, atualmente vemos os gestores de frota falando mais e mais a respeito da telemetria. **Mas afinal, o que é a telemetria veicular e para que ela serve?** Vivemos hoje na era da informação, dos dados e dos [indicadores](https://infleet.com.br/blog/principais-indicadores-gestao-frotas-transporte). Todo gestor agora é ensinado a tomar decisões baseada em números, dados, pois assim a sua chance de tomar decisões mais assertivas e corretas aumenta, não é mesmo? É justamente para te fornecer esses dados, dos mais variados possíveis, que serve a telemetria. No contexto automotivo e de frotas a telemetria veicular serve para fornecer informações sobre o veículo, seja ele um caminhão ou um carro leve, em tempo real. Porém, diferentemente do rastreador veicular que fornece dados de posição (latitude e longitude) e velocidade, a telemetria veicular vai muito além. Ela te fornece dados como RPM, temperatura do motor, aceleração, frenagem, abertura de baús, portas, e diversas outras informações. Você pode estar se perguntando agora, então o que eu irei fazer com tanta informação? Para que eu preciso saber se o motorista abriu a porta, a temperatura do motor em tempo real e todos esses dados? O que eu, gestor de frotas, irei fazer com essa imensidão de informações que vem do veículo para a minha plataforma de gestão de frotas? Bem, se você tem essas dúvidas nós iremos esclarecer-las neste artigo! **QUANDO SURGIU A TELEMETRIA** As primeiras aplicações de telemetria remetem a 1912 quando ela começou a ser utilizada para o monitoramento de redes de telefonia e transmissão de dados. Posteriormente, nos anos 50 a telemetria começou a se popularizar no setor aeroespacial e a partir da década de 90 ela ganhou espaço no setor automotivo. Neste setor, a telemetria começou a ser usada pelas equipes de alta performance da Fórmula 1, como uma maneira de otimizar o modo de direção do piloto e também melhorar a performance do carro. **O QUE É TELEMETRIA DE VEÍCULOS** A palavra telemetria vem do grego “tele” que significa “remoto”, e “metron” que significa “medida”. Ou seja, telemetria é a medição e transmissão de dados à distância. No contexto de aplicações veiculares e de frotas a telemetria veicular é a captação e transmissão remota de dados da dinâmica veicular como RPM, velocidade, temperatura do motor, aceleração, frenagem, curvas, e muitos outros. De maneira resumida, a telemetria é a medição dos dados do veículo e a transmissão remota desses dados ao sistema de telemetria, no qual eles se transformam em informações úteis ao gestor de frotas, informações a respeito da operação, consumo de combustível, segurança e manutenção. **O QUE É UM SISTEMA DE TELEMETRIA** Um sistema de telemetria veicular é o conjunto que possui o dispositivo que faz a captura e transmissão dos dados do veículo e uma central de monitoramento, que recebe e trata as informações enviadas pelo dispositivo, disponibilizando-as de maneira mais clara para o gestor, auxiliando a sua tomada de decisão. O sistema de telemetria coleta e envia remotamente os dados de posição, velocidade, RPM, temperatura, modo de condução do motorista, para a central que armazena e disponibiliza a informação para o gestor de frotas. A captura dos dados de telemetria veicular pode ser feita de duas maneiras principais: **1. Telemetria analógica:** A telemetria analógica depende da instalação de sensores no veículo que farão a medição das informações que o gestor deseja saber. A grande vantagem dessa abordagem é que ela é compatível com qualquer tipo de veículo. Por outro lado, a sua grande desvantagem é a complexidade. É necessário comprar, instalar, calibrar e fazer manutenção em diversos sensores espalhados pelo veículo. **2. Telemetria digital:** A telemetria digital é feita através do computador de bordo do veículo. Desde 2009 todos os veículos começaram a ter suas informações trafegando através de uma rede, chamada de rede CAN (Controller Area Network). A telemetria digital se baseia então na coleta dos dados do veículo que trafegam na rede CAN. Assim, não é preciso instalar uma série de sensores no veículo e os dados obtidos são mais precisos. Essas informações ficam muitas vezes disponíveis em forma de [relatórios operacionais](https://infleet.com.br/blog/principais-relatorios-para-a-gestao-de-frotas-eficiente) de consumo de combustível e [quilometragem percorrida](https://infleet.com.br/blog/como-fazer-controle-quilometragem-minha-frota-odometro), por exemplo ou podem ser tratadas para a criação de sistemas de[ avaliação de desempenho dos motoristas](https://infleet.com.br/blog/4-dicas-para-avaliacao-de-desempenho-do-seu-motorista-gestao), como o [ranking de motoristas](https://infleet.com.br/blog/como-construir-um-ranking-de-motoristas). O gestor de frotas então irá analisar as informações disponíveis no sistema para tomar decisões e traçar estratégias de otimização e melhoria da operação, ou seja, irá usar essas informações para deixar a operação mais eficiente e [reduzir custos](https://infleet.com.br/blog/5-dicas-para-reduzir-custos-com-a-sua-frota-gestao-transportes). **COMO FUNCIONA A TELEMETRIA VEICULAR** Como dito, a telemetria funciona com base na captação e envio remoto dos dados veiculares para uma central de monitoramento. O funcionamento é bem similar ao funcionamento de um sistema de rastreamento veicular. O dispositivo de captação de dados, sejam eles sensores ou o dispositivo de conexão com a rede CAN, fazem a leitura dos parâmetros da dinâmica veicular. Todas as informações são então consolidadas dentro desse equipamento embarcado no veículo, que irá transmitir esses dados para a central de monitoramento. Essa transmissão de dados, comumente ocorre através da rede de telefonia, utilizando a tecnologia da rede GSM/GPRS. A central de monitoramento recebe a informação, trata e disponibiliza em forma de relatórios. **PARA QUE SERVE A TELEMETRIA** A telemetria tem como objetivo principal captar dados veiculares e transmiti-los a central de monitoramento para que o gestor possa analisá-los e tenha informações que sirvam de base para auxiliar a sua tomada de decisão. Dentre os muitos usos da telemetria os principais são para controle de segurança, modo de condução do motorista, combustível e manutenção. **1. Segurança:** A análise de dados de telemetria permite ao gestor de frotas ter um maior controle da segurança da operação. Dentro os diversos dados obtidos o gestor poderá analisar excessos de velocidade, curvas, acelerações e frenagens bruscas, que são indicativos de que o motorista não está respeitando as regras de direção defensiva. Assim, o gestor poderá depois alertar, educar ou treinar esses condutores evitando riscos de acidentes e multas. **2. Modo de condução do motorista:** Os dados da dinâmica veicular permitem que o gestor avalie o modo de condução do motorista, se ele está seguindo as regras da política de frotas da empresa, regras de direção defensiva e econômica. O gestor poderá ver RPM, direção na banguela, paradas com o motor ligado, excessos de velocidade, curvas, acelerações e frenagens bruscas. **3. Consumo de combustível:** Um dos dados que trafega na rede CAN é a autonomia e consumo veicular. Assim, o gestor poderá ter o dado preciso de quanto o veículo está consumindo e verificar possíveis desvios de performance. Além disso, com base no controle do modo de condução do motorista o gestor poderá implantar um cultura de [direção econômica](https://infleet.com.br/blog/o-que-e-conducao-economica-frotas-gestao-motoristas), que irá reduzir significativamente o seu [consumo de combustível](https://infleet.com.br/blog/dicas-reducao-do-consumo-de-combustivel-abastecimento-frotas). **4. Manutenção:** O acompanhamento do odômetro através do sistema de telemetria permitirá com que o gestor faça e acompanhe de maneira precisa um planejamento de [manutenções preventivas](https://infleet.com.br/blog/como-criar-plano-de-manutencao-ideal-frota-gestao) da sua frota. Além disso, a rede CAN fornece dados de diagnóstico de falha e temperatura do motor, que permitem com que o gestor também planeje e controle o desgaste veicular. **BENEFÍCIOS DA TELEMETRIA VEICULAR** De maneira geral a telemetria tem como grande benefício fornecer ao gestor maior transparência sobre o que está ocorrendo com a sua frota. Os dados de rastreamento e dinâmica veicular permitem com que o gestor seja alertado e perceba rapidamente problemas que estão ocorrendo com a sua operação, agindo de maneira mais rápida, resolvendo os problemas antes que eles se tornem maiores. Além disso, a análise dos dados disponíveis no sistema de telemetria veicular permite ao gestor de frotas descobrir custos e problemas antes ocultos e a partir disso pensar em formas práticas de melhorar a sua operação e reduzir custos. Assim, o gestor consegue: * [Reduzir multas](https://infleet.com.br/blog/como-reduzir-multas-por-excesso-de-velocidade-na-sua-frota-transporte) e acidentes; * Reduzir o consumo de combustível; * Reduzir custos com manutenção; * Aumentar a vida útil dos veículos; * Avaliar de maneira mais justa o desempenhos dos motoristas; * Aumentar a satisfação da sua equipe; * Tomar decisões mais rápidas e assertivas. Desta forma, o gestor estará caminhando na direção de uma gestão de frotas mais eficiente, encontrando gargalos para a operação e propondo formas de melhoria contínua. Assim, a empresa se torna mais ágil, competitiva e lucrativa. **** **OUTRAS APLICAÇÕES DA TELEMETRIA** Além do setor de transportes e logística, muitos outros setores também fazem o uso da tecnologia de telemetria. Os dados são importantes para a tomada de decisão, seja ela qual for, pois deixam o cenário mais claro para o gestor. Assim, gestores nas áreas de agricultura, eficiência energética, consumo de água, gás, eletricidade e informática também fazem o uso da telemetria para compreender o que está ocorrendo em suas operações. * **Agricultura:** na agricultura os gestores utilizam dados de telemetria para saber onde está cada máquina, como elas estão operando, quanto a máquina está consumindo, se a máquina precisa de manutenção, como está a meteorologia e as condições do solo. * **Eficiência energética:** nas fábricas, escritórios e até mesmo residências é possível saber quanto cada área, cômodo ou equipamento está consumindo ao longo do dia e otimizar o consumo de energia para reduzir os custos com energia elétrica. Com a expansão da Internet das Coisas (IoT) a capacidade de captação e processamento de dados está se tornando maior e as aplicações da telemetria estão se expandindo, tornando as mais diversas operações mais eficientes. Na área de logística e gestão de frotas essas tecnologias já estão bastante consolidadas, portanto, se você ainda não sabe como você pode aplicá-las na sua empresa converse com um especialista, tenho certeza que oportunidades de melhoria e redução de custos não faltam na sua empresa. Essas oportunidades estão apenas [ocultas](https://infleet.com.br/blog/custos-ocultos-na-gestao-de-frotas), esperando que os dados as revelem.

Tudo sobre a lei do motorista - Lei 13.103

Tudo sobre a lei do motorista - Lei 13.103

24 de julho de 2020

Sabemos que um dos [pilares da gestão de frotas eficient](https://infleet.com.br/blog/4-pilares-da-gestao-de-frotas-eficiente)e é o da conformidade, ou seja, garantir que a sua operação está de acordo com a legislação vigente. No caso de empresas que lidam com transporte, uma das principais leis a que o gestor deve ficar atento é a lei do motorista, Lei 13.103 de 2 de Março de 2015. A [lei do motorista](https://infleet.com.br/blog/lei-motorista-jornada-frotas) dispõe sobre o exercício da profissão de motorista para disciplinar a jornada de trabalho e o tempo de direção do motorista profissional. Sabemos que no mundo empresarial, problemas trabalhistas são constantes, por isso é importante estar atento a todos os detalhes, se planejar e cumprir detalhadamente o que está disposto na lei. Então, se você tem dúvidas sobre o que é abordado na lei do motorista, o que você deve fazer na sua empresa para se adequar, o que significa tempo de direção, tempo de descanso e tempo de espera, leia este artigo! Por outro lado, se você é um motorista profissional e quer saber quais são os seus direitos deveres e como a sua jornada deve ser regulada, também leia este artigo! **O QUE DIZ A LEI DO MOTORISTA** A lei do motorista, [Lei 13.103 de 2 Março de 2015](http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2015/Lei/L13103.htm) é uma lei que dispõe sobre o exercício da profissão do motorista para disciplinar a sua jornada de trabalho e o tempo de direção. Ela trata de direitos e deveres do motorista e das empresas que os empregam. A lei define a categoria de motorista profissional como: _“Integram a categoria profissional de que trata esta Lei os motoristas de veículos automotores cuja condução exija formação profissional e que exerçam a profissão nas seguintes atividades ou categorias econômicas:_ _I - de transporte rodoviário de passageiros;_ _II - de transporte rodoviário de cargas.”_ No Brasil, país em que [mais de 60% da carga é transportada através do modal rodoviário](https://cbie.com.br/artigos/como-e-feito-o-transporte-de-cargas-no-brasil/) e em que mais de [50 milhões de pessoas viajam de ônibus](https://diariodotransporte.com.br/2020/04/24/empresas-de-onibus-rodoviarios-baixam-valor-das-passagens-e-se-preparam-para-retomar-viagens/), esse profissional tem alto grau de importância. **PRINCIPAIS REGRAS DA LEI DO MOTORISTA** **1. JORNADA DO MOTORISTA** A lei do motorista estabelece o tempo máximo de duração da jornada de trabalho, e sua prorrogação em caso de necessidade. Ela estabelece que a duração padrão da jornada deve ser de 8 horas, podendo ser ampliada em 2 horas ou até 4 horas mediante acordo coletivo. De acordo com o Artigo 235-C: _“A jornada diária de trabalho do motorista profissional será de 8 (oito) horas, admitindo-se a sua prorrogação por até 2 (duas) horas extraordinárias ou, mediante previsão em convenção ou acordo coletivo, por até 4 (quatro) horas extraordinárias.”_ Além disso, a lei traz também um conceito de tempo de trabalho efetivo, aqui definido com o tempo que o motorista está disposição do empregador, excluindo os intervalos de tempo de refeição, repousa, descanso e espera. O motorista tem direito assegurado a 1 hora para refeição, podendo esse período coincidir com o tempo de parada obrigatória. **2. LEI DO MOTORISTA: TEMPO DE DIREÇÃO** O tempo de direção, como o nome já deixa bem claro, é o tempo efetivo do motorista conduzindo o veículo. _“Entende-se como tempo de direção ou de condução apenas o período em que o condutor estiver efetivamente ao volante, em curso entre a origem e o destino.”_ De acordo com a legislação o motorista, seja ele motorista de transporte rodoviário de carga ou motorista de passageiros, não poderá ter um tempo contínuo de direção superior a 5 horas e 30 minutos. **** **3. LEI DO MOTORISTA: TEMPO DE DESCANSO** A lei estabelece que em um período de 24 horas é assegurado ao motorista um período de descanso de 11 horas, sendo possível fracionar esse período. Entretanto, caso deseje fracionar o período a lei estabelece que a primeira pausa deve ser de no mínimo 8 horas ininterruptas e as 3 horas restantes podem ser divididas da maneira como desejarem motorista e empresa dentro das próximas 16 horas. Em viagens em que o motorista passará mais de 24 horas fora da base da empresa o repouso pode ser feito no próprio veículo ou em outro alojamento fornecido pelo empregador. Além disso existem dois pontos que precisam ser observados: * Para o motorista de veículo de carga é necessário um período de descanso de 30 minutos a cada 6 horas, respeitando sempre o limite das 5 horas e 30 minutos de direção contínua. * Para o motorista de veículo de passageiros é necessário um período de descanso de 30 minutos a cada 4 horas, sendo possível também fracionar o tempo. Não respeitar os tempos de descanso e direção, resultará em multa não só para a empresa como também para o motorista. **4. LEI DO MOTORISTA: TEMPO DE ESPERA** De maneira simples e direta a lei diz que: _“São considerados tempo de espera as horas em que o motorista profissional empregado ficar aguardando carga ou descarga do veículo nas dependências do embarcador ou do destinatário e o período gasto com a fiscalização da mercadoria transportada em barreiras fiscais ou alfandegárias, não sendo computados como jornada de trabalho e nem como horas extraordinárias.”_ A lei entretanto diz que em nenhum momento o tempo de espera deve atrapalhar o pagamento do salário base do motorista e as horas relativas ao tempo de espera devem ser indenizadas em 30% relativos ao salário base. **5. REGISTRO DA JORNADA DO MOTORISTA EM DIÁRIO DE BORDO** Um dos pontos mais importantes da lei do motorista está relacionada ao [diário de bordo do motorista](https://infleet.com.br/blog/o-que-e-diario-de-bordo-do-motorista-e-como-controlar-a-jornada), local onde é feito o registro da jornada do profissional ao longo do dia de trabalho. A lei, no artigo 2º b, estabelece que o motorista deve: _“Ter jornada de trabalho controlada e registrada de maneira fidedigna mediante anotação em diário de bordo, papeleta ou ficha de trabalho externo, ou sistema e meios eletrônicos instalados nos veículos, a critério do empregador.”_ Dessa forma, ter o registro passou a ser um elemento essencial para o gestor de frotas poder comprovar que o motorista de fato seguiu as regras da lei durante a sua jornada. Existem diversas formas para realizar o registro do diário de bordo do motorista. As principais delas são: * **Registro em papel** – ficha preenchida manualmente todos os dias pelo motorista; * **Teclado embarcado** – sistema de teclado em que o motorista digita o código de cada operação que está sendo realizada e ao final do dia a jornada é registrada em um sistema; * **Aplicativo de controle da jornada do motorista** – aplicativo, similar ao teclado embarcado, no qual o motorista indica as ações que está fazendo durante o dia e um relatório é gerado e registrado ao término do dia. Aqui é importante frisar o seguinte ponto de atenção: **as jornadas invariáveis.** Jornadas de trabalho que apresentam horários iguais de início e término foram consideradas inválidas pelo TST como prova **invertendo o ônus de prova ao empregador**, entendimento registrado na Súmula 338, III. **O que isso significa e qual a importância disso para a sua gestão de frotas?** Isso significa que se você faz o registro do diário de bordo da jornada do motorista em uma ficha preenchida manualmente e o seu motorista está preenchendo sempre com os mesmos horários você não poderá usar esses registros como prova de que ele cumpria a jornada de trabalho em um eventual processo trabalhista, sendo necessário que você, empregador, busque outras provas, o que pode se tornar um grande problema! Fique muito atento a isso! Por outro lado, um outro problema do registro manual é o fato de que muitas vezes o motorista deixa para preencher a tabela inteira no final do dia e não lembra os horários exatos, gerando dados falsos, e você, gestor, terá depois o grande trabalho de compilar e tratar todos esses dados em uma planilha se quiser extrair informações que te ajudem a entender o comportamento da jornada do motorista e otimizar a sua operação. Nesse sentido, os **teclados e aplicativos de controle da jornada do motorista são muito mais eficientes**, pois fazem tudo de maneira automática, fazendo você ganhar produtividade, evitando erros do motorista e te fornecendo um controle muito mais preciso e em concordância com a lei. **6. EXAME TOXICOLÓGICO** A lei permite que a empresa contratante realize o exame toxicológico com os motoristas contratados, sendo necessário a realização de uma contraprova em caso de teste positivo. A lei do motorista no artigo 4º § 6º indica que: Serão exigidos exames toxicológicos, previamente à admissão e por ocasião do desligamento, quando se tratar de motorista profissional, assegurados o direito à contraprova em caso de resultado positivo e a confidencialidade dos resultados dos respectivos exames. **OUTROS PONTOS DA LEI DO MOTORISTA 13.103** Outros aspectos da lei do motorista 13.103 são: * O motorista deve ter acesso gratuito a programas de treinamento e aperfeiçoamento profissional; * Contar com serviços de medicina ocupacional; * Não responder perante ao empregador por prejuízo patrimonial causado por terceiros; * Ter benefício de seguro de contratação, destinado a cobertura de morte natural, acidente, invalidez (total ou parcial); **CONCLUSÃO** Esse é um resumo da lei do motorista número 13.103 de 2 de Março de 2015. Ficar atento a legislação e garantir que a sua empresa está em concordância com tudo o que foi exposto é parte essencial do trabalho do gestor de frotas. O gestor, por sua vez, deve se utilizar da tecnologia, com [sistemas de rastreamento de caminhão](https://infleet.com.br/blog/rastreamento-de-caminhao-via-satelite), telemetria veicular, aplicativos e teclados de controle da jornada do motorista, para gerar de maneira automático o diário de bordo, fidedignamente, e também ter o controle da forma como o motorista está utilizando o caminhão. Lembre-se de que um bom controle da jornada do motorista, através do diário de bordo, poderá evitar custos com hora extra e até mesmo processos trabalhistas. **Então fique atento!** No post: [“O que é diário de bordo do motorista e como controlar a jornada”](https://infleet.com.br/blog/o-que-e-diario-de-bordo-do-motorista-e-como-controlar-a-jornada), abordamos melhor a questão das ferramentas que podem ser utilizadas para o controle da jornada do motorista, vantagens e desvantagens e também colocamos um MODELO DE DIÁRIO DE BORDO DO MOTORISTA! VEJA!

Copyright © Infleet | Tecnologia para frotas 2020. All Rights Reserved.

Interakt Soluções de Engenharia LTDA